Os comentários deste site são de origem pessoal e não de uma denominação ou igreja específica, respeitamos todas as opiniões e críticas contrárias à linha de pensamento ou raciocínio de interpretação dos assuntos comentados neste blog, porém não publicamos comentários de pessoas que querem cercear a liberdade de expressão no que diz respeito a todos os aspectos da vida, principalmente aspecto politico ou religioso, pelo que também não publicamos comentários heterofóbicos nem homofóbicos, pois Deus nos aponta na sua palavra o caminho certo a seguir e nos mostra o obscuro, dando ao homem a liberdade de escolha.
Assim disse Josué ao povo: "...Porém se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; Porém eu e minha casa serviremos ao Senhor." (Josué 24. 15).

terça-feira, 22 de abril de 2008

A BANALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA, UM ASSUNTO OPORTUNO.

A análise das atitudes gestos e expressões faciais dos seres humanos diante dos relatos e visualizações de cenas de violência, leva-nos a concluir que para a maioria das pessoas a barbárie e o sofrimento alheio se tornaram coisa comum. Habituados a exposição excessiva de cenas de violência, nenhuma notícia mais os surpreende. A banalização da violência é tão expressiva, que as pessoas estão hávidas por obterem noticias de tragédias e acontecimentos catastróficos, algumas delas compram jornais somente para lerem a "Pagina Policial!!! E o pior, é que muitas emissoras de Radio e TV e também muitos jornais e revistas, promovem e exploram as noticias, até os últimos níveis de audiência, "roem até o osso," aproveitando ao máximo o sofrimento alheio, sob pretexto de estarem divulgando acontecimentos com a finalidade de manter a população bem informada e culta.
A exploração excessiva dos meios de comunicação ao trágico assassinato da menina Isabela Nardoni ocorrida no dia 29 de Março 2008, é uma prova da banalização da violência. Algumas empresas de comunicação sabedoras do retorno financeiro com a transmissão, pois ela aumentou significativamente o nível de audiência das mesmas, estão a se aproveitar de mais um caso de sofrimento alheio.
No dia 21 de Abril de 2008, uma matéria veiculada num dos jornais de grande circulação do estado do Espirito Santo dizia que em recente pesquisa feita pelo IBOPE, ficou comprovado que grande parte dos telespectadores troca de canal em busca de informações sobre a morte da menina, e que nas ultimas semanas o espectador tem feito verdadeira perseguição pelo caso Isabela Nardoni na TV aberta. Se chegou a conclusão que no final de tudo, ganha em audiência o canal que promove a mais extensa cobertura do episódio. Segundo a análise das pesquisas do IBOPE, foi constatado que larga fatia de telespectadores trocava de canal em busca do assunto.
Segundo pesquisas, ocorrem diariamente vários casos de violência contra crianças no Brasil e muitos deles seguidos de mortes com requintes de crueldade, a maioria dos casos contra crianças pobres e de origem humilde, que não são divulgados com tanta expressão como tem sido esta tragédia. Tudo nos leva a crer, que a elevada comoção popular com relação a este caso especifico foi promovida pela intensa cobertura dos meios de comunicação. Esta claro que todos desejamos que os culpados sejam punidos, mas também está claro que muitos acompanham os noticiários mais por curiosidade. Prova disto, é que há pessoas percorrendo longas distancias para ir conhecer o edifício onde ocorreu tal fato.
É alarmante a banalização da violência na sociedade. Para que tenhamos uma ideia desta banalização, citamos o exemplo da industria cinematográfica que ganha rios de dinheiro com a edição de filmes e novelas que exploram a violência urbana, catástrofes naturais e tragédias. Na concepção da maioria dos telespectadores, os melhores filmes ou as melhores produções, são as que apresentam um maior numero de cenas violentas: assassinatos, lutas corporais, catástrofes naturais, tragédias com grande numero de mortos, e etc...
Vemos se cumprir diante de nossos olhos a profecia predita por Jesus: "E por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriará." (Mateus 24.12). Estamos vendo a disseminação da cultura da banalização da violência e da morte, promovida pelos Stallones, Vam Dammes e Hitkocs, que se assenhoream dos corpos de alguns seres humanos, que vivem da exploração do sofrimento alheio. A força dos formadores de opinião, entre eles figuram principalmente repórteres de alguns telejornais e revistas, faz com que seres humanos ludibriados pelo poder de persuasão da midia, caiam nas suas armadilhas seguindo o rastro por eles traçados. Por este motivo, a maioria das pessoas demonstram estar conformadas com a violência, mas a Bíblia diz: " E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade do Senhor." (Romanos 12.2). Isto quer dizer que para que experimentemos a boa, agradável e perfeita vontade do Senhor, é preciso que tenhamos uma mente renovada diariamente e purificada pelo sangue de Jesus!!!
Nunca permitamos que nossos filhos pronunciem, nem por brincadeira a frase: Vou te matar, e nem simulem brincadeiras do gênero, pois se assim permitirmos, estaremos contribuindo para o progresso da banalização da violência. Estamos diante de um quadro gradual de desvalorização da vida. A sociedade precisa acordar para o fato de que é indispensável resgatar sistematicamente os valores esquecidos. A violência não provém de Deus, a exploração da violência como meio de enriquecimento não provém de Deus!!! Assim disse Jesus: " ...Em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. todos os que vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-a, e entrará, e sairá, e achará pastagens. O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir: eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância."
(João 10.7-10).
Postar um comentário