Os comentários deste site são de origem pessoal e não de uma denominação ou igreja específica, respeitamos todas as opiniões e críticas contrárias à linha de pensamento ou raciocínio de interpretação dos assuntos comentados neste blog, porém não publicamos comentários de pessoas que querem cercear a liberdade de expressão no que diz respeito a todos os aspectos da vida, principalmente aspecto politico ou religioso, pelo que também não publicamos comentários heterofóbicos nem homofóbicos, pois Deus nos aponta na sua palavra o caminho certo a seguir e nos mostra o obscuro, dando ao homem a liberdade de escolha.
Assim disse Josué ao povo: "...Porém se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; Porém eu e minha casa serviremos ao Senhor." (Josué 24. 15).

domingo, 30 de novembro de 2014

DíZIMOS

Aqueles que querem interpretar o Velho Testamento ao pé da letra, também devem guarda-lo ou obedece-lo tal como está escrito!!! pois quem é transgressor de um só til da lei é transgressor de toda a lei ( Leia Tiago 2. 10).
O líder religioso  que aprova a doutrina  a qual o cristão de hoje  não dizimista (  O líder que crê na doutrina dos 10%) é ladrão segundo o que interpreta de Malaquias 3. 8-11, também tem que aceitar e ensinar como doutrina o que está escrito em Êxodo 34. 21 , o qual Deus diz ao povo de Israel para guardar o Sábado.
É mais vantajoso e lucrativo para a igreja conscientizar o cristão de que o dizimo  voluntário, não o percentual, é necessário para a manutenção da obra de Deus, do que tentar amedronta-lo dizendo que Deus o tem por ladrão e por conseguinte  não irá salva-lo se não contribuir com 10 por cento do que ganha!!

O dizimo não é uma obrigação, é algo voluntário  e deve ser encarado assim, pois Deus abençoa ao que contribui com alegria ( 2 Corintios 9. 7); A palavra dizimo quer dizer 10, mas o dizimo Bíblico não é percentual  mas uma parte do que se tem ou ganha, também pode ser tudo, depende de como você crê. Contribua não com 10%  mas com tudo o que estiver disposto o seu coração (diz a Bíblia) não o que propõe a sua denominação ( Leia o texto Bíblico que tem por título "A pequena oferta da viúva pobre"  Mateus 21. 1- 4).

Testemunho pessoal:  Numa certa ocasião por volta do ano de 1996, inspirado por Deus, levei todo o dinheiro que tinha em casa para ofertar na casa do Senhor (na época 13 reais que havia ganho com a venda de pães e sorvetes caseiros). Minha esposa e eu estavamos muito preocupados pois estava desempregado e prestes a ter o fornecimento de energia elétrica da nossa casa desligado pela fornecedora). No decorrer do culto o pastor, sem aviso prévio, mandou que os obreiros recolhessem as ofertas daquele dia, para minha surpresa, em meu benefício, o qual rendeu-me 10 vezes mais do que eu tinha levado de oferta para a igreja ou seja 130 reais sem contar os 13 reais que eu havia levado pára ofertar.  Este milagre ocorreu na vida, deste que vos escreve!!  Louvado seja o nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!!!

O dizimo deve ser voluntário não obrigatório e nem sacrifical: deve ser por amor e livre de todo pensamento mal.

Dez por cento para quem ganha 700 é  sacrifício, quanto para quem ganha 10.000 é sobejo:  O peso do desconto de 10% no vencimento de um trabalhador assalariado é sacrifical, isso representa o desconto de 70 reais do seu salário que já é pouco, o qual, sabe-se, não dá para cobrir as despesas de uma pessoa quanto mais de uma família de sequer dois membros.  Seria até mesmo injusto se Deus cobrasse a devolução do dizimo de tais pessoas, da maneira com interpretam os que apregoam a cobrança  do dizimo da forma percentual.  O peso do desconto de 10% no salário de quem ganha 10.000 é imensamente menor, ou seja apenas 1.000 reais, restando 9.000 o que dá grande margem de sobra para o que ganha tal valor arcar com suas despesas e compromissos. Portanto esta cobrança  se exigida por Deus seria injusta e desproporcional.

As igrejas que hoje dão ênfase a doutrina do dizimo em porcentagem, ou seja, ensinam e cobram dos seus membros a devolução de 10% de suas rendas, estão agindo em desacordo e infringindo a lei da liberdade ensinada por Jesus e acolhida pelos apóstolos. Este costume existiu partindo de Abraão, até Levi (Hb 7:9) e era recolhido para a manutenção do templo e sustento  dos sacerdotes e levitas que não tiveram possessão na divisão da terra de Canaã. Nesta passagem Paulo explica que os preceitos da lei de Moisés terminaram em Levi, e por ser Cristo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque, este ab-rogou (aboliu) o sacerdócio levítico com todas as suas leis e costumes, então podemos entender por inferência que isso inclui a doutrina dos dízimos, conforme narra Paulo na carta aos Hebreus (Leia Hb 7, 1 - 28).  "Com efeito, mudado que seja o sacerdócio, é necessário que se mude também a lei" (Hb 7.12). E ainda: "Porque o precedente mandamento é ab-rogado pela sua fraqueza e inutilidade" (Hb  7, 18).

Entende-se que a lei do Velho Testamento e seus preceitos foram abolidos por Cristo segundo ensina o Apostolo Paulo (Ler 2 Co 3:14), e o que depreendemos do que foi decidido no primeiro concílio da igreja é que para nós gentios convertidos o  primordial é “ Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes” (Atos 15. 29). (O concílio ocorreu por que alguns Judeus convertidos a Cristo queriam que os gentios obedecessem  a lei de Moises e seus preceitos). Isto posto,( segundo o que aprendemos com relação também aos sábados de guarda, o comer ou não comer carne, e outros preceitos da lei, quando estudamos a Epistola aos Romanos capitulo 14) estes costumes que fiquem á critério de cada pessoa, “Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente”(Rm 14.5). E nisto também podemos incluir a doutrina que diz respeito ao dizimo: “Cada um contribua segundo propôs no seu coração (Não segundo o valor ou porcentagem que interpreta o dirigente da congregação, mas com 10% ou não, ou com tudo o que recebe, ou nada) não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que contribui com alegria” (2 Cor. 9. 7 ).

A igreja primitiva era uma igreja miscigenada, havia uma mistura de povos convertidos a Cristo dentro dela: era composta de Judeus, Gregos e gentios.  Paulo os ensinou aos irmãos da igreja primitiva para que viessem a aprender a conviver juntos mesmo havendo diferenças de interpretação quanto a ensinamentos advindos de suas etnias. Hoje quando alguém pensa diferente do que interpretam os dirigentes de algumas igrejas, na maioria das vezes, é isolado e deixado à parte como se fosse um herege; isto acontece com aqueles que não dizimam de acordo com o que interpretam seus lideres religiosos.

Ananias e Safira: os defensores dos 10% utilizam o texto descrito por Lucas em Atos 5. 1 - 11, para atacar os irmãos que não dizimam conforme o que ensinam, porém vemos no estudo deste texto que o pecado deste casal foi mentir aos apóstolos e consequentemente ao Espirito Santo quanto ao verdadeiro valor da venda do imóvel, ou seja: se eles tivessem ficado com o imóvel ou com o valor da venda do mesmo para si (...Guardando-a não ficava para tí? E vendida não estava em teu poder? Porque formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.),  Deus não lhes condenaria por isso; isto  seria melhor do que ter vendido por um preço e ter doado somente parte do valor, afirmando que era este o valor total, o que caracterizava mentira, é por esta mentira que eles foram condenados  (...Não mentiste aos homens mas a Deus). Isto indica que se você conscientemente ficar com o dizimo para si, Deus não o condenará (...Guardando-a não ficava para ti? E vendida não estava em teu poder?
Muitos de nossos lideres do passado, alguns gananciosos, outros mal orientados e sem conhecimento bíblico por não terem argumentos espirituais que convencessem os cristãos a contribuírem para a manutenção da igreja e da obra do Senhor espontaneamente (de coração), chegaram a falsa ou errônea conclusão que o “cobrar a devolução do dizimo” estipulando o valor de 10% utilizando a lei do Velho Testamento como ameaça, principalmente o que está escrito em Malaquias 3. 8 – 12 era mais vantajoso e mais facil do que conscientizar o cristão da necessidade de contribuir através do verdadeiro ensino! E essa ideia propagou-se em algumas igrejas que a utilizam até nos dias de hoje.

Quantos irmãos saíram de nossas igrejas (igrejas cristãs em geral) por terem sido tachados de ladrões?

Quantos irmãos já saíram de nossas igrejas por terem sido cobrados a doar 10% da sua renda e por não querer ter violado o sigilo do quanto recebem?

Exercendo a Lei da Perfeita Liberdade( A lei que está escrita em nossos corações): No novo Testamento ao lermos o texto descrito em Lucas 21. 1 – 4  sobre a pequena oferta da viúva pobre, vemos que a mesma depositou na arca do tesouro tudo o que tinha, ou seja: você pode também dar tudo o que tens se quiser!! Havia ali no templo certo gasofilácio chamado Arca do Tesouro, era o local onde as pessoas podiam exercer a sua liberdade de contribuir com o valor que quisessem e sem que outras pessoas soubessem; e vemos que só Deus sabia o valor que as pessoas ali depositavam.  Por possuir a natureza Divina, Jesus na sua onisciência, sabia o valor depositado por todos.

Se este foi um tipo de contribuição apontado como exemplo por Jesus, então por que o não fazer (ou não dar esta opção de contribuição aos irmãos que assim entendem) em nossas igrejas no dia de hoje? 
Vemos o quanto é ruim para alguns irmãos terem que demonstrar para os outros o quanto ganham e contribuem, e ainda receber um canhoto do tesoureiro como recibo.  Agindo nós assim passamos ao que contribui a impressão de que a sua vida esta sendo controlada até mesmo no lugar onde deveria expressar a sua liberdade que é a casa do Senhor.

E possível dar uma opção àqueles que veem o dizimo de forma não percentual, e ter em nossas igrejas pessoas de interpretações diferentes, como na igreja primitiva que era composta de Judeus, Gregos e gentios.  No mesmo lugar onde se colocam as ofertas (Gasofilácio) também podem ser colocados os dízimos (entendido como parte do que se ganha).  Temos diferentes opiniões ou interpretações, mas todos temos um só objetivo:  "Glorificar o nome do Senhor."

Mas alguém, que defende a ideia da prestação de contas, pode afirmar:  "todo este controle é bom para evitar que os irmãos responsáveis pelas congregações e seus auxiliares se corrompam".

A resposta desta indagação é que também na época de Jesus havia corruptos,  Judas Iscariotes foi um deles, e ele terá que prestar contas de si mesmo diante de Deus. E isto sucederá a todos aqueles que forem desonestos.

Cont.



domingo, 1 de junho de 2014

COISAS QUE SUCEDEM DEBAIXO DO SOL

Pastores, cantores e mestres cristãos que se aproveitam da popularidade alcançada em anos de ministério eclesiástico para se candidatarem a um cargo político objetivando o poder e o engrandecimento pessoal;
Alguns há que mesmo não sendo candidatos, para ganharem popularidade, "incham" suas igrejas fazendo delas um cabide de empregos, e um canteiro de obras, depois descobrem que por administrar mal as suas finanças investiram pesado demais levando-as ao desequilíbrio financeiro, e por este motivo passam a exigir de suas filiais congregações que contribuam com quase toda renda que perfazem, afim de cobrir o deficit causado pelos glamourosos investimentos nas suas igreja sede,  Isto tudo também é vaidade e aflição de espírito.

ANO ELEITORAL E IGREJA

Estamos em mais um ano eleitoral, e já estão sendo veiculados em alguns meios de comunicação propagandas de cunho político.  Daqui a alguns dias estaremos recebendo em nossas igrejas candidatos ao pleito pedindo votos a favor de suas campanhas ou de outrem.  No meio cristão isto se tornou comum, porque os que aspiram o poder sabem que em se tratando de um pais em que o índice de cristãos é um dos mais elevados do mundo, os templos, de uma maneira geral, são excelentes para se fazer campanha política, pelo que  também alguns cristãos, achando que podem tirar alguma vantagem pessoal disso, aproveitam a oportunidade para se candidatarem.  Até mesmo alguns pastores se aproveitando da popularidade alcançada em anos de ministério pastoral se apresentam como candidatos a  "salvadores da pátria", estes em ano eleitoral exploram o rebanho fazendo da igreja um trampolim para chegar mais próximo de suas aspirações pessoais. Alguns acham que o titulo de "pastor" passa a idéia de idoneidade, e carregam-no ou o até mesmo o vinculam em suas campanhas, como "pr. fulano ou beltrano''. Não creio que seja errado o pastor cristão se candidatar, mas creio que o errado é ele se aproveitar do cargo que lhe foi dado por Deus para se ascender na vida secular objetivando o poder ou o lucro financeiro. Aos pastores candidatos, sugiro que se desvinculem do cargo que ocupam na igreja, e assumam uma nova identidade, a de candidato pastor e não a de pastor candidato, e que não façam campanhas dentro das igrejas, pois os templos cristãos não são lugares para se falar de aspirações pessoais, mas sim para orar e pregar a palavra de Deus.  Assim disse Jesus:  "A minha casa será chamada casa de oração..."

domingo, 20 de abril de 2014

HAVERIA PERDÃO PARA JUDAS?

domingo, 16 de fevereiro de 2014


    Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
I - polícia federal;
II - polícia rodoviária federal;
III - polícia ferroviária federal;
IV - polícias civis;
V - polícias militares e corpos de bombeiros militares.
A segurança pública, segundo a Constituição, é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, e é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.  Portanto é dever do Estado manter na prisão os criminosos, principalmente os que são reincidentes, sendo que o não fazendo, seja assim responsabilizado pelos atos praticados por tais delinquentes em caso de fuga, o que caracteriza desleixo por parte dos órgãos responsáveis por sua guarda.
A maioria dos crimes que hoje estão sendo praticados no Brasil são feitos por criminosos reincidentes, que por alguma brecha na legislação, ou falha do sistema penal e prisional, são liberados pelos delegados de policia, ou responsáveis por sua guarda. Se a segurança pública é responsabilidade do Estado, todo crime praticado por reincidentes, principalmente, tem como responsável o Estado, por não tê-los mantidos presos.
A impunidade tolerada a anos em nosso país esta fazendo com que se crie um exército de criminosos reincidentes tornando cada dia mais difícil o dia a dia do cidadão comum, das policias em fim de toda a sociedade.  Se continuar como está no futuro a situação ficará fora de controle de tal maneira que mesmo com a contratação e formação de inúmeros novos policiais não teremos a diminuição de roubos, latrocínios, e outros crimes de uma maneira geral.

 Por isso todo cidadão que de alguma forma direta ou indireta, tiver seu direito à incolumidade violado por um criminoso reincidente, deveria receber por direito uma indenização por parte do Estado por ser dele a responsabilidade pela permanência em liberdade de tal criminoso. O Estado tem que assumir a responsabilidade pelos atos praticados pelos criminosos que “por ele” são postos inadvertidamente em liberdade seja por fuga ou alvará de soltura.
A principal forma de se garantir a integridade física do cidadão, não é que se aconselha o mesmo á não reagir à assaltos e investidas de delinquentes, mas sim, a ação efetiva do Estado contra a violência com a construção de presídios adequados para se manter na cadeia criminosos reincidentes de mentes cauterizadas que já tiveram sua chance de ressocialização exercidas inúmeras outras vezes, sejam eles de menor ou maior idade.
No Brasil a impressão que temos é que alguém está ganhando com os males causados a população pelos altos índices de violência!!!
Será que isto explica a demora da reforma do Código Penal?
Será uma indireta política de controle populacional aceita e não divulgada pelo governo...?

O Brasil teve mais de 50.000 pessoas assassinadas em 2012 (http://glo.bo/1a2qsh0)...

domingo, 29 de dezembro de 2013

Senado  enterra   PLC 122/06:   


CDH - Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Ação:
Retirado de pauta, em virtude da aprovação, no Plenário do Senado Federal, do Requerimento nº 1443, de 2013, de autoria do Senador Eduardo Lopes, solicitando a anexação do Projeto de Lei da Câmara nº 122, de 2006, ao Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012, de reforma do Código Penal Brasileiro. 
À SSCSLF  (fonte: http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=79604

RQS - REQUERIMENTO, Nº 1443 de 2013
Ver também: PLS - PROJETO DE LEI DO SENADO 236 de 2012

Autor(a):
SENADOR - Eduardo Lopes
  Ver imagem das assinaturas  
 Download do documento em PDF
Ementa:
Requer, nos termos do artigo 374, II, do RISF, a anexação do PLC nº 122, de 2006, ao PLS nº 236, de 2012.
Natureza:
Tramitação conjunta
Data de apresentação:
04/12/2013
Situação atual:
Local: 
-

Situação: 
-



PLS - PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 236 de 2012

Autor(a):
SENADOR - José Sarney
  Ver imagem das assinaturas   
Download do documento em PDF
Ementa:
Reforma do Código Penal Brasileiro.
Explicação da ementa:
Assunto:
Jurídico - Direito penal e processual penal
Apelido:
(NOVO CÓDIGO PENAL)
Data de apresentação:
09/07/2012
Situação atual:
Local: 
23/12/2013 - Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania

Situação: 
23/12/2013 - AGUARDANDO DESIGNAÇÃO DO RELATOR
Matérias relacionadas:
Tramita em conjunto com:
Indexação da matéria


Como lemos em matérias vinculadas em alguns renomados sites (ler texto abaixo), então fomos conferir ( texto acima):
O Plenário do Senado aprovou, na terça-feira (17/12/13), com 29 votos favoráveis, 12 contrários e 2 abstenções, requerimento do senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) para que o PLC 122/2006, que dava privilégios a homossexuais, seja apensado, ou seja acrescentado, ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012).
O senador Eduardo Lopes destacou que o Código Penal já engloba o assunto ao tipificar a intolerância, o racismo e todo tipo de violência. Ele explicou que, por tratarem de assuntos correlatos, não há sentido para que as propostas tramitem separadamente. Em apoio a Eduardo Lopes, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que a criminalização da homofobia depende da tipificação desse crime no Código Penal, o que justifica o apensamento.
Pr. Silas Malafaia comenta:
Depois de 7 anos de uma luta árdua contra um projeto de lei que era um verdadeiro lixo moral para beneficiar os gays em detrimento do restante da coletividade da sociedade, finalmente o senado deu um basta. Mesmo o PT usando todo o seu poder político para aprovar esta aberração, e tenho eu aqui que ressalvar a atitude corajosa do senador Lindbergh Farias que contrariando a decisão partidária, votou pelo fim do PLC 122/06, ao contrário do senador Valter Pinheiro do PT da Bahia, que é membro da Igreja batista em salvador, e que muitas vezes eu o apoiei, de maneira covarde se ausentou do plenário na hora da votação.
Tenho também que ressaltar o brilhantismo e a luta incansável do senador Magno Malta que foi um gigante para travar o famigerado projeto. Também quero salientar a coragem do Presidente do senado Renan Calheiros, que teve a ousadia de colocar em votação, contrariando muitos interesses.
Agora a questão de sexualidade será discutida no código penal que ainda terá uma longa tramitação. Saliento também a maturidade que o povo evangélico vem manifestando ao usar meios democráticos e legais para pressionar os senadores realizando um verdadeiro bombardeio de e-mails, e também a presença nas audiências públicas, por fim, preste bastante atenção nos senadores que votaram pelo fim do PLC 122/06, os senadores que votaram a favor da permanência do projeto, e também os que estiveram presentes, mas saíram na hora da votação, se omitindo de maneira covarde de uma posição firme contra uma aberração deste nível...
Que o Senhor nosso Deus continue abençoando nossos representantes políticos que zelam pela ética moral da nossa nação!!!


domingo, 22 de dezembro de 2013

COMEMORE O NATAL TODOS OS DIAS...

Nestes dias que antecedem o Natal, os sentimentos de solidariedade e amor ao próximo ficam mais aflorados. Presentes são distribuídos e compartilhados pelos que têm condições de adquiri-los, e os que são pobres e excluídos, sentem no coração a esperança, de ao menos neste dia, serem lembrados pela sociedade. A ganância, que traduz o amor desenfreado pelo dinheiro, e o egoísmo, nestes dias, ficam em baixo nível, e perdem de goleada para o consumismo. A onda de consumo exacerbada ou em altíssimo grau, faz a festa dos comerciantes e lojistas. Em fim, "quase todos" comem uma fatia do bolo da festa chamada Natal. Não se sabe, ao certo, o dia, mês e ano do nascimento de Jesus. Porém, se já existe um dia reservado para esta lembrança, apesar de que muitos não o reverenciam como tal, nós cristãos devemos reverencia-lo. Se passamos um ano inteiro, vivendo para nós mesmos, buscando a satisfação de nossos próprios interesses, este é o dia de compartilhar-mos a felicidade, trocar presentes, doar sem esperar algo de volta, reavivar amizades, fazer alguém feliz!!! Encerro dizendo, que "Para o cristão, o natal tem que ser todo dia. todo o dia é dia de fazer o bem, compartilhar presentes, doar sem esperar algo de volta, reavivar amizades, sermos mutuamente felizes. Assim agiu Jesus. Assim ajamos nós." 
" Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo pecado." (1 João 1:7).

domingo, 19 de maio de 2013

OBRIGATORIEDADE DOS CARTÓRIOS REALIZAREM UNIÕES HOMOSSEXUAIS, UM RETROCESSO QUE REMONTA Á ÉPOCA DA DITADURA

Na Lei de Deus, ninguém é obrigado a nada, Ele nos dá livre arbítrio. No código penal Brasileiro nem um assassino é obrigado a confessar (ou torturado para confessar) um crime que notoriamente cometeu, mas hoje no nosso país tabeliães cristãos são obrigados a realizarem em seus cartórios, a união de pessoas do mesmo sexo, O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou por maioria de votos (14 a 1), uma resolução que obriga os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento.

Os cartórios não poderão rejeitar o pedido, como acontece atualmente em alguns casos. A decisão do CNJ poderá ser questionada no Supremo Tribunal Federal(STF).

Segundo o presidente do CNJ e autor da proposta, Joaquim Barbosa, que também é presidente do STF, a resolução visa dar efetividade à decisão tomada em maio de 2011 pelo Supremo, que liberou a união estável homoafetiva.

Conforme o texto da resolução, caso algum cartório se recuse a concretizar o casamento civil, o cidadão deverá informar o juiz corregedor do Tribunal de Justiça local. "A recusa implicará na imediata comunicação ao respectivo juiz corregedor para providências cabíveis."
Isto sim é uma censura, é um cerceamento da verdadeira liberdade de expressão e escolha semelhante ao regime ditatorial. O certo seria dar liberdade aos cartórios, e liberar aqueles cujos tabeliães aceitam a união homoafetiva a realizarem tais casamentos, e não  obrigar a todos.

Olhai povo de Deus em quem votais nas próximas eleições, pois quem sabe daqui a alguns dias quererão obrigar as igrejas e seus pastores a realizarem tais cerimônias.

pbmarcoaurelio.





ATUALIZANDO: DOMINGO 24 DE NOVEMBRO DE 2013

 A Comissão de Direitos Humanos da Câmara, presidida pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP), aprovou nesta quarta-feira (20) duas propostas polêmicas sobre união homoafetiva. Uma delas, de autoria do deputado Arolde de Oliveira (PSD-RJ), susta os efeitos de resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que proíbe cartórios de negar pedidos de casamento entre pessoas do mesmo sexo.
O outro projeto votado pelo colegiado prevê a convocação de um plebiscito com a seguinte pergunta: "Você é a favor ou contra a união civil entre pessoas do mesmo sexo?".
Os dois textos ainda precisam passar pela Comissão de Constituição e Justiça e o plenário antes de seguirem para o Senado.
Saiba como é o casamento gay no Brasil
Em maio, o Conselho Nacional de Justiça, órgão de controle externo das atividades do Poder Judiciário, obrigou todos os cartórios do país a cumprirem a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de maio de 2011, de realizar a união estável de casais do mesmo sexo. Além disso, obrigou a conversão da união em casamento e também a realização direta de casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Leia mais
Editada em maio pelo presidente do CNJ, ministro Joaquim Barbosa, a resolução obriga os cartórios de todo o país a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento. O documento visa dar efetividade à decisão tomada em maio de 2011 pelo Supremo Tribunal Federal, queliberou a união estável homoafetiva.
Conforme o texto da resolução, caso algum cartório se recuse a concretizar o casamento civil, o cidadão deverá informar o juiz corregedor do Tribunal de Justiça local. "A recusa implicará imediata comunicação ao respectivo juiz corregedor para providências cabíveis", diz o texto.
Na época de sua aprovação, Joaquim Barbosa argumentou que seria um contrassenso esperar que o Congresso analisasse o tema para se dar efetividade à decisão do STF. "Vamos exigir aprovação de nova lei pelo Congresso Nacional para dar eficácia à decisão que se tomou no Supremo? É um contrassenso."
No projeto que susta a decisão do CNJ, o deputado Arolde de Oliveira argumenta que o órgão "extrapolou" suas funções ao decidir sobre união homoafetiva. "O CNJ usurpa a competência constitucional do Congresso Nacional, ao exorbitar do poder regulamentar administrativo e não apenas esclarecendo uma determinada lei e sim normatizando como tal", diz o parlamentar.
Plebiscito
A proposta sobre a convocação de consulta popular prevê a realização de plebiscito no primeiro turno das próximas eleições, em outubro de 2014. Se o texto for aprovado em definitivo pela Câmara, o presidente da Casa deverá comunicar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que realize a convocação e faça campanhas explicativas à população.
A tramitação de projetos que tratam de união homofaetiva seriam suspensos até o fim da consulta popular. A possibilidade de união entre pessoas do mesmo sexo seria decidida, de acordo com o texto, por maioria simples dos votos computados.
O relator da proposta, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), argumentou que no Parlamento a "radicalização das posições" dificultam o debater acerca do tema.
"A realização de um plebiscito sobre o tema permitirá que as apaixonadas posições em torno da união civil de pessoas do mesmo sexo tenham o tempo e a ocasião para colocar seus argumentos para toda a sociedade, promovendo seu esclarecimento e, assim, acatando o resultado que  vier das urnas."
Uma vez que o CNJ obriga os cartórios a fazer algo que não passou aqui pela Casa, isso extrapola os debates [...] A falta de coragem de debater aqui nesse parlamento é que faz o Supremo Tribunal Federal e o CNJ tomarem essas decisões"
Marco Feliciano (PSC-SP),
presidente da Comissão de Direitos Humanos
Feliciano
Após a sessão da Comissão de Direitos Humanos, Feliciano defendeu a votação das propostas polêmicas. "Nós não fugimos do debate, embora seja polêmico o assunto", justificou.
Ele também disse concordar com o teor dos dois projetos. Para ele, a resolução do CNJ sobre casamento homoafetivo "feriu a Constituição".
"Uma vez que o CNJ obriga os cartórios a fazer algo que não passou aqui pela Casa, isso extrapola os debates. O assunto precisa ser debatido, alguém tem que ter coragem de debater. A falta de coragem de debater aqui nesse parlamento é que faz o Supremo Tribunal Federal e o CNJ tomarem essas decisões", disse.

FONTE: Nathalia Passarinho
Do G1, em Brasília



terça-feira, 30 de abril de 2013

DINHEIRO - BENÇÃO OU MALDIÇÃO?


O cristão verdadeiro, anda na contramão de direção do destino para o qual segue o mundo, e a sua preocupação esta sempre voltada em eleger como prioridade para a sua vida a busca incessante do Reino de Deus, não importando-se com o prejuízo financeiro, intelectual ou profissional que isto venha lhe causar. O autêntico servo de Deus, está enquadrado em Mateus 6.31 - 33: "Não andeis pois inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos? (Porque todas estas coisas os gentios procuram.) Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas essas coisas; Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidara de sí mesmo..." Esse texto não é apenas lido ou ouvido pelo antêntico cristão, mas é vivido em sua forma plena. Ele não se deixa enganar pela onda do consumismo apregoada atravez dos meios de comunicação pelos mais diversos formadores de opinião existentes, o qual de uma forma direta ou indireta, atravéz de suas mensagens subliminares, valorizam mais o ter do que o ser.

Não  são assim o cristãos materialistas, pois os mesmos condicionam o alcance da felicidade à aquisição de bens materiais, e enquanto não os alcançam, vivem tristes e amargurados. Os tais ao lerem a  Bíblia,  conjugam, entendem e vivenciam Mateus 6.33, de uma maneira diferente!!!
Veja:  "Buscai primeiro o reino deste mundo e Deus seja apenas um complemento em sua vida."
Estes mesmos as vezes são fiéis dizimistas, daqueles que só vão as igrejas para levar o dizimo, porém eles se esquecem ( ou até mesmo por falta de conhecimento falham neste questão ) ( ver Os. 4.6; Mt.22.29 )  que a fidelidade nos dizimos não os justifica, e nem lhes garante um lugar no céu!!! Eles acabam se assemelhando ao farizeu citado por Jesus na parábola registrada por Lucas 18.9-14 : "E disse também esta parábola a uns que confiavam em sí mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, a orar; um fariseu, e o outro publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adulteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dizimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a sí mesmo se humilha será exaltado".
Pasme e critique quem quiser, mas é desta forma que teem vivído muitos cristãos!!!
Queres provar isto? Então procure saber quantos membros tem a sua igreja, observe quantos vão a Escola Bíblica e a frequência com que vão nela e nos cultos. E, se puder, procure saber o motivo de algumas ausências.
É o empresário que não abre mão do seu ganho no comércio e não o fecha de geito nenhum, nem no domingo; é o irmão ou irmã que simplesmente "não gosta" ou não se interessa em aprender a palavra de Deus, e nem mesmo por devoção voluntária aceita se submeter ao aprendizado, por achar que já sabe tudo; é aquele ou aquela que sempre se utiliza de justificativas várias, por sempre estar ocupado com afazeres e coisas relacionadas a esta vida, como por exemplo: "Eu trabalho direto e não tenho tempo para isto." Enfim, o cristão materialista parece viver para sí mesmo e não para Deus, pois ele só vai para a Casa do Senhor quando lhe "Sobra Tempo".
A você meu irmão, que esta enquadrado no que dissemos no parágrafo anterior, eis aquí alguns conselhos bíblicos:

"Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.  ( Lucas 12. 15).

"Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância nunca se farta da renda; também isto é vaidade. ( Eclesiastes 5. 10).

"Mais vale o pouco do justo que a abundância de muitos ímpios. ( Salmos 37. 6).
      
"Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam..." ( At. 17.30 ). Em Mt. 16.24 - 26, Jesus nos afirma: "...se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a sí mesmo, tome sobre sí a sua cruz, e siga-me...pois que aproveita o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?..."
Se você ainda não tem tudo o que precisa para sobreviver, como estabilidade no emprego, um salário suficiente para arcar com suas despesas e compromissos, casa própria, e outros bens necessários para sua sobrevivência, busque, estude, trabalhe, mas não deixe Jesus em segundo plano!!! "Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará". Sl. 37.5. Numa certa ocasião relatada nos evangélhos sinópticos ( Mateus, Marcos, Lucas), o discípulo Pedro perguntou a Jesus: "...Eis que nós deixamos tudo e te seguimos; que receberemos? e Jesus lhe disse: Ninguém há, que tenha deixado casa ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, pelo reino de Deus, e não haja de receber muito mais neste mundo e na idade vindoura a vida eterna". (Mt. 19.27-29; Mc. 10.28-30; Lc. 18.28-30).
Mediante todas estas afirmações bíblicas, creia que Deus, além de te dar a maior das riquezas que é a salvação da sua alma e a vida eterna, tem incontáveis bençãos materiais e espirituais reservadas para você também nesta vida!!!
Ao irmão que já alcançou estabilidade no emprego ou financeira, eis aquí um conselho: "Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo porém sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor do dinheiro é a raíz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a sí mesmos com muitas dores". 1 Timóteo 6.6-10.
Ao obreiro ou membro do ministério é importantissimo reafirmarmos o que disse Paulo à Timóteo: "Convém pois que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento..." 1 Tm. 3.2-3.

sexta-feira, 15 de março de 2013

JUSTIÇA INJUSTA